.

A Paixão Segundo G.H. (trecho)

.

[...]
Quero o material das coisas. A humanidade está ensopada de humanização, como se fosse preciso; e essa falsa humanização impede o homem e impede a sua humanidade. Existe uma coisa que é mais ampla, mais surda, mais funda, menos boa, menos ruim, menos bonita. Embora também essa coisa corra o perigo de, em nossas mãos grossas, vir a se transformar em “pureza”, nossas mãos que são grossas e cheias de palavras.
Nossas mãos que são grossas e cheias de palavras.
[...]
Não quero a beleza, quero a identidade. A beleza seria um acréscimo, e agora vou ter que dispensá-la. O mundo não tem intenção de beleza, e isto antes me teria chocado: no mundo não existe nenhum plano estético, nem mesmo o plano estético da bondade, e isto antes me chocaria. A coisa é muito mais que isto. O Deus é maior que a bondade com a sua beleza.
Ah, despedir-se disso tudo significa tal grande desilusão. Mas é na desilusão que se cumpre a promessa, através da desilusão, através da dor é que se cumpre a promessa, e é por isso que antes se precisa passar pelo inferno: até que se vê que há um modo muito mais profundo de amar, e esse modo prescinde do acréscimo da beleza. Deus é o que existe, e todos os contraditórios são dentro do Deus, e por isso não O contradizem.
Ah, em mim toda está doendo largar o que me era o mundo. Largar é uma atitude tão áspera e agressiva que a pessoa que abrisse a boca para falar em largar deveria ser presa e mantida incomunicável - eu mesma prefiro me considerar temporariamente fora de mim, a ter a coragem de achar que tudo isso é uma verdade.
[...]
Mas beijar um leproso não é bondade sequer. É auto- realidade, é autovida - mesmo que isso também signifique a salvação do leproso. Mas é antes a própria salvação. O benefício maior do santo é para com ele mesmo, o que não importa: pois quando ele atinge a grande própria largueza, milhares de pessoas ficam alargadas pela sua largueza e dela vivem, e ele ama tanto os outros assim como ama o seu próprio terrível alargamento, ele ama seu alargamento com impiedade por si mesmo. O santo quer se purificar porque sente a necessidade de amar o neutro? de amar o que não é acréscimo, e de prescindir do bom e do bonito. A grande bondade do santo - é que para ele tudo é igual. O santo se queima até chegar ao amor do neutro. Ele precisa disso para ele próprio.

2 Clariceanos:

Paixão, M. disse...

Amo esse livro..
As palavras que vão entrando na gente num nível tão subliminar, tipo pelos poros mesmo.

:)

(obrigada pelas visitas!)

nayara disse...

para tudo na vida é preciso se ter uma inspiraçao,desde criança apesar de hoje ainda nao ser crescida sempre gostei de ler porem dentre todos os livros que ate hoje eu ja li me identifico com um que chamou minha atençao;este livro cujo nome é "a paixao segundo GH" Clarise lispector uma escritora de classe e que se deve total respeito, pretendo reler logo este livro pois é baseado em uma historia compenetrante que nos leva a crer e a viajar em paraisos de sonhos e angustias vividas pela personagem.
SOU GRATA ETERNAMENTE A VOCE CLARISE LISPECTOR, ME INSPIROU E HOJE COM APENAS 13 ANOS DE IDADE TENHO ESTA VISAO, ESPERO QUE GOSTE DO COMENTARIO APESAR DE ELE NAO ESTAR REDIGIDO A SUA ALTURA ATENCIOSAMENTE: NAYARA SUA ETERNA FÃ!