.

Maio - A perigosa Yara

.

Ao cair de todas as tardes, a Yara, que mora no fundo das águas, surge de dentro delas, magnífica. Com flores aquáticas enfeita então os cabelos negros e brinca com os peixinhos de escapole-escapole. Mas no mês de maio ela aparece ao pôr-do-sol para arranjar noivo.
As mães se preocupam com seus filhos varões, sabedoras de que a Yara quer noivos. Mas para os filhos, Yara é a tentação da aventura, pois há rapazes que gostam de perigo.
À medida que a Yara canta, mais inquietos e atraídos ficam os moços, que, no entanto, não ousam se arriscar.
Sim, mas houve um dia um Tapuia sonhador e arrojado. Pensativamente estava pescando e esqueceu-se de que o dia estava acabando e que as águas já se amansavam. Foi quando pensou: acho que estou tendo uma ilusão. Porque a morena Yara, de olhos pretos e faiscantes, erguera-se das águas. O Tapuia teve o medo que todo o mundo tem das sereias arriscadas — largou a canoa e correu a abrigar-se na taba. Mas de que adiantava fugir, se o feitiço da Flor das Águas já o enovelara todo? Lembrava-se do fascínio de seu cantarolar e sofria de saudade. A mãe do Tapuia adivinhara o que acontecia com o filho: examinava-o e via nos seus olhos a marca da fingida sereia.
Enquanto isso, Yara, confiante no seu encanto, esperava que o índio tivesse coragem de casar-se com ela. Pois — ainda nesse mês de florido e perfumado maio — o índio fugiu da taba e de seu povo, entrou de canoa no rio. E ficou esperando de coração trêmulo.
Então — então a Yara veio vindo devagar, devagar, abriu os lábios úmidos e cantou suave a sua vitória, pois já sabia que arrastaria o Tapuia para o fundo do rio.
Os dois mergulharam e advinha-se que houve festa no profundo das águas.
As águas estavam de superfície tranqüila como se nada tivesse acontecido. De tardinha, aparecia a morena das águas a se enfeitar com rosas e jasmins.
Porque um só noivo, ao que parece, não lhe bastava.
Esta história não admite brincadeiras. Que se cuidem certos homens.

4 Clariceanos:

Camila disse...

poxa muito obrigada pelo comentário.

adoro clarice, achei lindo o seu blog com os textos dela.

parabéns e obrigada pelo elogio.

=*
Camila.

Anônimo disse...

Tem esse texto no meu livro de português!!!

Anônimo disse...

tem no meu livro tbm ! mas no meu livro tem mais coisa escrita, q no final ela sofre de saudade das ''pessoass'' do mar e faz um tsunami na casa do cara... e tal. mas esse texto eh mt boom! adooro clarice lispector ! (l)

Sol Mascarenhas Neves disse...

Admiro Clarice até um sem fim. Sua poética me inspira e me angustia, porque tudo que vive nela e em sua obra é como segredo que não revelamos nem ao espelho.
No entanto, ela os escreveu.

Passo aqui e deixo meus parabéns,
além do convite a ler meus poemas, no Blog Dancing Barefoot. www.sujeitodoverbo.blogspot.com

Abraço