.

Espaço Clarice - Fãs!

.

Essa página publicará textos da autoria de fãs de Clarice Lispector.

Para enviar seu texto deixe-o como comentário nessa postagem.

Categorias:

° Artigos;
° Contos;
° Crônicas;
° Ensaios;
° Homenagens;
° Poesias;
° Prosa poética;
° Resenhas e etc.

Importante:

° Os textos deverão ser identificados;
° Deixe claro que o texto é para o Espaço Clarice;
° A divulgação de links (blog/e-mail/site) é opcional.

5 Clariceanos:

Fá Fioretti disse...

Releitura do texto "Silêncio", de Clarice Lispector, para o Espaço Clarice.


É estranho como não se fala sobre nosso silêncio interior.
Temos um misto de vergonha e medo, porque ele é inexplicável e acreditamos que o outro não nos vai entender, pois, mesmo que também o tenha, não admitirá.
Mas, chega o momento em que se aceita o silêncio como o destino final da jornada vivida e, amparado pela coragem, se entra nele e vive o silêncio como se tudo vivido antes fosse um ensaio para o que se viveria agora.
O silêncio total, o vasto silêncio de quando nos deixamos reconhecer, só chega quando nada mais pode atrapalhá-lo e ele, introspectivo, não sente temor de se mostrar e se assumir como realmente é.
Ocorre o medo de ter o desabrochar, despertado pelo silêncio, interrompido por algum som desavisado que se propaga no mundo exterior, mas não repercute em nosso interior.
E então o silêncio chega, aquele silêncio que, nas horas de maior ardor, imaginamos como o amante proibido e que se revela como nosso algoz, pois não chega para a troca de confidências e sim para nos fazer calar, enquanto aperta sem piedade nossas feridas.
Mas, o dia raiará novamente e o silêncio irá dormir, e sua passagem pela noite será apenas uma lembrança a espiá-lo pela fresta de uma memória sentida, do tempo passado em comunicação aterrorizadora consigo mesmo. E, nesse momento, o silêncio será mais um fantasma dentre tantos na vida.

Autoria: Fá Fioretti
Contato: http://devoradoradehistorias.blogspot.com/

Anônimo disse...

O Milagre das folhas (crônica)

Não, nunca me acontecem milagres. Ouço falar, e às vezes isso me basta como esperança. Mas também me revolta: por que não a mim? por que só de ouvir falar? Pois já cheguei a ouvir conversa assim, sobre milagres: "Avisou-me que, ao ser dita determinada palavra, um objeto de estimação se quebraria." Meus objetos se quebram banalmente e pelas mãos das empregadas. Até que fui obrigada a chegar à conclusão que sou daqueles que rolam pedras durante séculos, e não daqueles para os quais os seixos já vêm prontos, polidos e brancos.Bem que tento visões fugitivas antes de adormecer - seria milagre? Mas já me foi tranquilamente explicado que isso até nometem: cidetismo, capacidade de projetar no campo alucinatório as imagens inconcientes.
Milagre, não. Mas as coincidências. Vivo de concidências, vivo de linhas que incidem uma na outra e se cruzam e no cruzamento formam um leve e instantâneo ponto, tão leve o instantâneo que mais é feito de pudor e segredo: mal eu falasse nele, já estaria falando em nada.
Mas tenho um milagre, sim. O milagre das folhas. Estou andando pela rua e do vento me cai uma folha exatamente nos cabelos. A incidência da linha de milhões de folhas transformadas em uma única, e de milhões de pessoas a incidência de reduzi-las a mim. Isso me acontece tantas vezes que passei a me considerar modestamente a escolhida das folhas.
Com gestos furtivos tiro a folha dos cabelos e guardo-a na bolsa, como o mais diminuto diamante. Até que um dia, abrindo a bolsa, encontro entre os objetos a folha seca, engelhada, morta. Jogo-a fora: não me interessa fetiche morto como lembrança. E também porque sei que novas folhas concidirão comigo.
Um dia uma folha me bateu nos cílios. Achei Deus de uma grande delicadeza.

Clarice Lispector

Fabíola disse...

Dizem que tudo que não se alimenta morre. Então, por que esse amor não correspondido que sinto flamejar, em minhas veias, ainda não morreu, já que nunca foi alimentado por ti? Antes sinto crepitar, em meu coração, um fogo que me inflama a alma, que me derrete os desejos, que purifica, cada dia mais, esse amor, tornando-o, dia a dia, mais puro e, por isso, maior, mais elevado, mais pulsante... sem jamais transformá-lo em cinzas até que alcance a perfeição. Eu te amo com tanta intensidade, com tanta volúpia, com tanta candura, meu adorado, que dizer te amo já se tornou um mantra para mim, uma frase sagrada que eu digo com toda firmeza do meu ser. Que pena, meu amado, que teu confuso espírito nunca tenha te animado a perscrutar os mais profundos segredos e mistérios existentes por trás da fina cortina que recobre minha Flor De Lótus. Se o teu desnorteado espírito infligisse, em ti, coragem, para, com tua brava espada, romper o véu da minha Flor sagrada; afianço-te que ficarias extasiado com tantas maravilhas que eu seria capaz de te fazer ver, de te fazer comer, de te fazer beber, de te fazer provar...Vem, meu adorado, por favor, dá-me a oportunidade de revelar e descobrir mistérios contigo, de me alimentar com teu leite. O amor que sinto por ti alimenta-me a alma, mas não os desejos. Então, dá-me o teu amor e me leva até à mesa da luxúria para fartar todos os meus desejos. Asseguro-te que, se assim o fizeres, serás feliz desde agora e por toda a eternidade. Eu te amo.

Julianaas disse...

Um dia desses...
Cravo em ti as lanças de minhas incertezas, tão carregadas de desejo que chego a me odiar.
Cravo em teu peito o rancor do amor, os beijos banhados no vinho da tua essência divinal e do teu seio paternal.
Os dias passam e nas longas horas em que divago em delírios chego a caminhar no precipício do seu corpo e nas ondas da sua alma, só para que do alto o vento alcance minhas volúpias de você;
Para que enfim eu possa ver o mundo, sem a venda nos olhos.
Sem que a sua imagem me impeça de voar, de chegar mais perto de uma liberdade que mesmo utópica, é necessária.
O desejo é perecível... o amor é ilusório... mas o precipício entre nós é real e indissoluto
Só me falta a coragem de aceitar.

Juliana.

Sophya Lispector disse...

NEÓFITO

Na etéria essência do teu ser,

Te vi amadurecer...

Da tua alma cândida vi o alvorecer,

Como num pincho desejos florescer...



Mergulhando no infinito desconhecido,

Teu ser procurando meu ser...

Imponderavelmente busquei teu sorriso divino,

pra não te esquecer...



E como numa espiral que fluíam agonias,

Eu flor de Lis,na volúpia da noite juntei-me a você.