.

Releitura do texto "Silêncio", de Clarice Lispector

.

Espaço Clarice - Fãs.

Sobre o texto:

Autoria: Fá Fioretti
Contato: http://devoradoradehistorias.blogspot.com/

É estranho como não se fala sobre nosso silêncio interior.
Temos um misto de vergonha e medo, porque ele é inexplicável e acreditamos que o outro não nos vai entender, pois, mesmo que também o tenha, não admitirá.
Mas, chega o momento em que se aceita o silêncio como o destino final da jornada vivida e, amparado pela coragem, se entra nele e vive o silêncio como se tudo vivido antes fosse um ensaio para o que se viveria agora.
O silêncio total, o vasto silêncio de quando nos deixamos reconhecer, só chega quando nada mais pode atrapalhá-lo e ele, introspectivo, não sente temor de se mostrar e se assumir como realmente é.
Ocorre o medo de ter o desabrochar, despertado pelo silêncio, interrompido por algum som desavisado que se propaga no mundo exterior, mas não repercute em nosso interior.
E então o silêncio chega, aquele silêncio que, nas horas de maior ardor, imaginamos como o amante proibido e que se revela como nosso algoz, pois não chega para a troca de confidências e sim para nos fazer calar, enquanto aperta sem piedade nossas feridas.
Mas, o dia raiará novamente e o silêncio irá dormir, e sua passagem pela noite será apenas uma lembrança a espiá-lo pela fresta de uma memória sentida, do tempo passado em comunicação aterrorizadora consigo mesmo. E, nesse momento, o silêncio será mais um fantasma dentre tantos na vida.

14 Clariceanos:

Marcel Hartmann disse...

Eu já tinha lido esse texto em algum lugar, ele é bem clariciano.

Francine disse...

Oi!
Fiz um blog com mais 3 amigas sobre a Clarice Lispector. Lá postamos trechos dos livros dela.

Estarei colocando seu blog na nossa lista de links, tudo bem?

Ficarei feliz com sua visita.

Até mais.

Anônimo disse...

Fá, como você conseguiu entrar na minha alma? Quem a permitiu divulgar o que foi visto lá? Tudo era escondido e imperceptível, igual ao SILÊNCIO.

Marcel Hartmann disse...

Muito bom o blog, parabéns.

Anônimo disse...

Adorei...

Jean Delacroix

Lúcia Amorim: disse...

Olá ! Acompanho seu blog e tem um selo para você lá no http://consultoriamorim.blogspot.com/
Espero que goste da minha indicação.
Lúcia

Lúcia Amorim: disse...

Olá,
Sim o selo está postado na página seguinte com as orientações.
Indiquei esse blog por se tratar de Clarice Lispector.
Lúcia Amorim

Coga disse...

Amo Clarice! Grande mulher, grande escritora. Simplesmente maravilhosa.

raiodesol disse...

AMO CLARICE LISPECTOR!!!!

Larissa Tavares disse...

Lindas palavras.

A imensidão do silêncio e sua invasão...

B. disse...

Lindo...

anny dhyll disse...

olá palavras lindas... o silencio infelzmente é meu companheiro me calo para muitas coisas e muitas feridas abertas e escondidas dentro de minha alma...

suzy disse...

clarice esta em todos os momentos de minha vida... amo muito...by:suzy nascimento.

Constance disse...

Amor é quando é concedido participar um pouco mais.
Amor é a grande desilusão de tudo mais.
Amor é finalmente a pobreza.
Amor é não ter inclusive amor.
É a desilusão do que se pensava que era amor.
Amor não é prêmio por isso não envaidece.

Clarice Lispector